Bem-vindo ao MyPopular!

Fique a par de várias dicas que o podem ajudar no dia-a-dia.

Ser Feliz

Visite o Centro Ciência Viva do Alviela e descubra os morcegos

Publicado em 23-06-2017

Os morcegos são um animal de má fama. Muitas vezes associados à morte, à noite ou mesmo a doenças, dão mote a vários mitos e lendas, mas na verdade desempenham um papel essencial no controlo de pragas e são uma espécie em vias de extinção.

O Centro Ciência Viva do Alviela é um bom local para descobrir mais sobre estes mamíferos e a forma como vivem, ou não fosse o morcego um dos habitantes do complexo de grutas dos Olhos de Água do Alviela, onde existem 12 espécies distintas, de entre as mil conhecidas em todo o mundo. Nove das que por ali habitam estão em vias de extinção, o que faz deste habitat um dos mais importantes abrigos de criação do país.

Na exposição Quiroptário, os visitantes têm oportunidade de descobrir mais sobre a espécie e a forma como vive, “vestindo a pele de um morcego”. Podem experimentar ficar pendurados de cabeça para baixo, guiar-se pelo som ou partilhar um espaço reduzido com mil acompanhantes.

Outra experiência proporcionada pela exposição é a possibilidade de observar em direto, ou através de imagens gravadas, consoante a altura do ano, a colónia de morcegos do Alviela. A exposição conta ainda com uma réplica da gruta de morcegos e oferece a possibilidade de fazer uma viagem virtual ao local, além de outros ingredientes.

O Centro Ciência Viva do Alviela localiza-se na freguesia de Louriceira, no concelho de Alcanena, no Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros e integra mais duas exposições interativas.

Numa delas, os visitantes podem embarcar numa viagem 3D, que parte da nascente do Alviela e segue os percursos subterrâneos da água, podendo interagir com a paisagem fazendo chover, ou vendo os efeitos de um derrame de combustível sobre uma região calcária, como esta.

Noutra exposição interativa podem experimentar um simulador que permite fazer uma viagem no tempo e recuar 175 milhões de anos, altura em que os dinossauros andavam nestas paragens e deixaram as suas pegadas nas rochas da serra de Aire.